A IRRIGAÇÃO DA MACONHA

A água é um elemento essencial para o desenvolvimento de todos os seres vivos. Para os vegetais ela tem um papel fundamental em uma série de processos vitais relacionados a sobrevivência e a produção das plantas. Além disso, devido ao caráter herbáceo de seus ramos, em caso de falta de água a Cannabis reage de forma evidente através da murcha da parte aérea, o que afeta diretamente a produtividade. Existem diversas maneiras de fornecer água e nutrientes às plantas e agora vamos falar um pouco mais sobre esse assunto.

Os vegetais, assim como os outros seres vivos, são fundamentalmente dependentes da água para manutenção do equilíbrio do organismo, conhecido como homeostase, sendo assim,  ela desempenha diversos papéis essenciais ao desenvolvimento das plantas. Entre eles podemos destacar o transporte dos nutrientes ao longo dos feixes vasculares e a indução a expansão da parede celular devido a pressão que exerce culminando no crescimento vegetal. Além disso, a água também é o meio onde ocorrem as reações intracelulares nos vegetais, participa do controle da temperatura das plantas através do processo de transpiração, entre inúmeras outras funções. Todos esses processos estão diretamente relacionados a produtividade das culturas agrícolas. Em um ambiente ideal a planta pode atingir seu máximo potencial e as adversidades que porventura ocorram, como o déficit hídrico,  vão diminuindo essa potencialidade.

Dentro do aspecto agronômico o termo irrigação carrega consigo uma fundamentação teórica, se distinguindo em muito da mera prática de “molhar a planta”. A irrigação consiste no aporte de água às culturas em quantidades e qualidades adequadas, no momento certo a fim de garantir a  máxima produtividade. As quantidades adequadas são medidas através de parâmetros estudados que irão garantir a eficiência do uso da mesma, ajudando a reduzir custos operacionais. Além disso, o uso excessivo da água também pode resultar no “afogamento” da planta devido a baixas concentrações de oxigênio no solo, o’que impede a respiração celular das raízes.

Existem diversos mecanismos de aporte de água nas culturas e isso está diretamente relacionado ao grau de tecnificação da cultura, o tamanho da área plantada, a finalidade para qual se destina a cultura, dentre outros fatores. Neste sentido uma das maiores diferenças é em relação ao sistema de cultivo adotado, podendo este ser diretamente no campo (outdoor) ou em ambientes protegidos (in door). Cada um destes modelos de produção tem suas vantagens e desvantagens para o processo de irrigação.

O cultivo diretamente no campo tem um menor custo de implantação e a demanda hídrica da planta, ou parte dela, pode ser aportada de forma natural reduzindo gastos tanto com a água quanto com energia elétrica para realizar a irrigação. Apesar disso o sistema também fica mais “vulnerável” a intempéries e ao contato com patógenos. De qualquer forma é necessário ajustar a época de plantio nesse sistema , para garantir que a chuva forneça água em épocas mais crítica da produção ao mesmo tempo em que a planta também receba quantidades adequadas de luz. Os métodos de irrigação bastante utilizados nesse sistema de produção são a aspersão e a microaspersão, que possuem um alto grau de espalhamento da água porém, por não ser uma irrigação localizada aumenta a quantidade de água utilizada, reduzindo a eficiência de aplicação e favorecendo o desenvolvimento de patógenos devido ao excesso de umidade na parte aérea das plantas.

Nos sistemas de cultivo em ambiente protegido, também conhecido como cultivo in door, existe a possibilidade de maior controle dos fatores ambientais, inclusive de temperatura, uidade e concentração de CO2. Nesse sistema de cultivo podemos distinguir o cultivo hidropônico, o cultivo em vasos e o cultivo no solo. O cultivo em vasos, muito comum na produção de Cannabis, geralmente é acompanhado por uma irrigação por gotejamento, ou mesmo irrigação manual com regador. O sistema de gotejamento apresenta uma grande eficiência no uso da água, visto que o aporte da mesma é localizado na raiz, o que também evita um ambiente úmido que é favorável ao desenvolvimento de uma série de patógenos. O sistema de cultivo diretamente no solo também é recomendável com irrigação por gotejamento, a fim de diminuir a umidade na parte aérea das plantas e consequentemente a ação de patógenos. Já o cultivo hidropônico consiste em cultivar as plantas sem utilização do solo. As plantas são colocadas em um meio inerte, que favorece o estabelecimento da raiz para sustentar a planta.  Nessa situação as raízes ficam em contato direto com a solução nutritiva.

Irrigação por gotejamento. Créditos: Marijuana Venture

Os nutrientes podem ser fornecidos via fertilizantes solúveis ou de liberação lenta, normalmente trabalha-se com uma mistura de ambos para garantir que os níveis de nutrientes na solução estejam sempre adequados. Uma das grandes vantagens deste método de produção é que o produtor possui um alto controle sobre as condições de concentrações de nutriente e do pH do meio, podendo realizar correções durante todo cultivo. No entanto seu custo de implantação é bem maior, e o uso da água pode variar de acordo com o tipo de hidroponia.

Existem vários tipos de sistemas de produção hidropônico e eles tem que estar de acordo com a estrutura e porte das variedades utilizadas. As variedades de porte maior necessitam de um recipiente proporcional ao seu tamanho e também é interessante a adoção de estruturas para auxiliar na sua condução evitando o tombamento.

As técnicas de hidroponia mais utilizada no cultivo de Cannabis é o NFT (Nutrient Film Technique), que consiste em colocar as plantas em um canal ou canaleta com um pequeno desnível em que circula uma solução nutritiva com auxílio de uma bomba. Como o nome sugere, esta técnica oferece apenas um pequeno filme de água com as quantidades adequadas de nutrientes, o que também reduz os gastos de produção comparado a outros sistemas de cultivo hidropônico. O cultivo hidropônico é mais usual para extração de óleos ou uso recreativo, o cultivo do cânhamo devido seu grande porte, alta rusticidade e menor valor agregado em relação a área cultivada não é viável para este método de produção.

Cultivo Hidropônico. Créditos: semillas de marihuana

Independente do sistema de cultivo é essencial um controle rigoroso da solução nutritiva em relação à condutividade elétrica (quantitativo de nutrientes) e ao pH (acidez da solução) para garantir a qualidade do produto final. Um estudo ¹ avaliou o quimiotipo (perfil canabinóides) de algumas plantas que variou em resposta a alteração em aplicações de NPK. Demonstrando que o manejo adequado dos cultivos visa não somente aumentar a produtividade como também a qualidade dos produtos vegetais. Dessa forma, é essencial o conhecimento das necessidades nutricionais de cada variedade e as formas de aplicação mais eficientes, pois estas operações, por se repetirem muitas vezes ao longo do ciclo produtivo, podem onerar muito os custos finais de produção.

As plantas de Cannabis no geral são resistentes a falta d’água, dessa forma é muito importante que não ocorra o excesso de irrigação que pode dificultar a oxigenação das raízes reduzindo sua respiração e afetando diretamente a produtividade.  A ADWA Cannabis desenvolve tecnologias para ajudar na tomada de decisão sobre o melhor momento para efetuar os tratos culturais , para assegurar a maior eficiência do cultivo bem como reduzir custos e aumentar a produtividade, trazendo maior lucratividade aos produtores. Adquira o nosso relatório para obter mais informações.

Adwa Cannabis

Adwa Cannabis

Uma empresa de desenvolvimento de pesquisas e tecnologias voltadas para a cadeia produtiva de Cannabis.